Seja Bem-vindo ao website da REMESP

Home > FAQ

FAQ

A Metrologia é a ciência que abrange todos os aspectos teóricos e práticos
relativos às medições, qualquer que seja a incerteza em qualquer
campo da ciência ou tecnologia. (VIM, 2012).

Nesse sentido a Metrologia Científica e Industrial é uma ferramenta
fundamental no crescimento e inovação tecnológica, promovendo a
competitividade e criando um ambiente favorável ao desenvolvimento
científico e industrial em todo e qualquer país.

Fonte: http://www.inmetro.gov.br/metcientifica/

Basicamente, a metrologia está dividida em três grandes áreas: Metrologia Científica Metrologia Industrial Metrologia Legal.

  1. A Metrologia Científica: que se utiliza de instrumentos laboratoriais e das pesquisas e metodologias científicas que têm por base padrões de medição nacionais e internacionais para o alcance de altos níveis de qualidade metrológica. 
  2. A Metrologia Industrial: cujos sistemas de medição controlam processos produtivos industriais e são responsáveis pela garantia da qualidade dos produtos acabados. 
  3. A Metrologia Legal: que está relacionada a sistemas de medição usados nas áreas de saúde, segurança e meio ambiente.

Traduzir a confiabilidade nos sistemas de medição. 

Garantir que especificações técnicas, regulamentos e normas existentes, 

Proporcionar as mesmas condições de perfeita aceitabilidade na montagem e encaixe de partes de produtos finais, independente de onde sejam produzidas. 

Melhoria do nível de vida das populações: 

  • Consumo de produtos com qualidade; 
  • Preservação da segurança, saúde e do meio ambiente.

Garante a qualidade do produto final 

  • Favorece as negociações pela confiança do cliente 
  • Diferenciador tecnológico e comercial para as empresas. 

Reduz o consumo e o desperdício de matéria prima 

  • Devido à calibração de componentes e equipamentos, 
  • Aumento da produtividade. 

Elimina a possibilidade de rejeição do produto, 

  • Resguarda os princípios éticos e morais da empresa no atendimento das necessidades da sociedade em que está inserida, 
  • Evita desgastes que podem comprometer sua imagem no mercado.

Fonte: http://www.inmetro.rs.gov.br/cicmac/material_didatico/polig_conceito_metrologia.pdf

A acreditação é uma ferramenta estabelecida em escala internacional para gerar confiança na atuação de organizações que executam atividades de avaliação da conformidade.

Acreditação é o reconhecimento formal por um organismo de acreditação, de que um organismo de Avaliação da Conformidade - OAC (laboratório, organismo de certificação ou organismo de inspeção) atende a requisitos previamente definidos e demonstra ser competente para realizar suas atividades com confiança.

Um sistema concebido para acreditar serviços de avaliação da conformidade dos OACs deve transmitir confiança para o comprador e para a autoridade regulamentadora. Tal sistema deve facilitar o comércio através das fronteiras, como buscam as organizações e autoridades em comércio.

Acreditação é um processo voluntário e representa o reconhecimento formal da competência de um laboratório ou organismo para desenvolver as tarefas de avaliação da conformidade, segundo requisitos estabelecidos. A acreditação é realizada junto a: Laboratórios de Calibração e/ou Ensaio, Organismos de Certificação e Organismos de Inspeção.É realizadaatravés de uma auditoria e determina se ele atende a requisitos predeterminados para exercer as tarefas a que se propõe. Dentre vários objetivos esse processo pretende garantir a qualidade dos serviços prestados.

Os requisitos são fundamentados em normas específicas de qualidade que contemplam as atividades laboratoriais — por exemplo: atendimento à legislação vigente, atendimento ao cliente, realização de exames, validade dos reagentes e produtos utilizados, calibração de instrumentos de medição, rastreabilidade do processo, capacitação da equipe entre outros.

Fontes: http://inmetro.gov.br/credenciamento/oqe_acre.asp e http://www.sbpc.org.br/

Certificação é um processo no qual uma entidade de 3ª parte avalia se determinado produto atende as normas técnicas. Esta avaliação se baseia em auditorias no processo produtivo, na coleta e em ensaios de amostras.

A certificação dos Sistemas de Gestão atesta a conformidade do sistema de gestão das empresas em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos são os sistemas de gestão da qualidade, certificados com base em critérios estabelecidos pela norma ABNT NBR ISO 9001, e os sistemas de gestão ambiental, certificados conforme as normas da série NBR ISO 14001. Mais recentemente, destacam-se a publicação da ABNT NBR ISO 22000, voltada para a área de alimentos, ABNT NBR 16001, que tem foco na Responsabilidade Social das empresas, ABNT NBR ISO 31000, Gestão de Riscos – Princípios e Diretrizes e a da ABNT NBR 27001, para sistemas de Gestão da Segurança da Informação.

Há, no entanto, outros sistemas de gestão, também passíveis de certificação, oriundos de iniciativas setoriais, como os sistemas baseados em normas do setor automobilístico ou de telecomunicações, como a QS 9000, AVSQ 94 e TL 9000.

A filosofia das normas de gestão é, em geral, a de induzir à organização por processos, enfatizando as ações de prevenção de defeitos. No entanto, as normas de sistemas de gestão não ditam qual o produto a ser produzido ou como produzi-lo, mas apenas como estruturar os sistemas de gestão da organização, de forma a assegurar a repetibilidade dos resultados obtidos, no que diz respeito, em particular, ao parâmetro qualidade.

As normas ISO 9001 e ISO 14001 são apenas as referências normativas para o processo de certificação. A responsabilidade pela certificação é do organismo acreditado e do organismo acreditador e não da ISO.

Fonte: http://www.inmetro.gov.br/qualidade/certificacao.asp

Ambas as atividades, a acreditação de laboratórios segundo os requisitos da NBR ISO/IEC 17025 e a certificação ISO 9001, asseguram a existência de Sistemas de Gestão da Qualidade - SGQ nas organizações, o que é aceito internacionalmente, nos dias de hoje, como evidência da credibilidade da gestão empresarial. Entretanto, no que concerne aos laboratórios de calibração e de ensaios, a disponibilidade do sistema da qualidade constitui indicação necessária, mas não suficiente; é imprescindível demonstrar a competência técnica do laboratório. Em consonância com as práticas internacionais, torna-se mandatório exibir aos clientes e usuários dos serviços do laboratório que os certificados de calibração e os relatórios de ensaios são metrologicamente confiáveis. 

O instrumento que permite que essa competência seja assegurada é a acreditação, sistemática que requer rastreabilidade dos padrões do laboratório ao Sistema Internacional de Unidades (SI); adequação aos métodos e práticas internacionais; pertinência dos procedimentos; uso adequado de equipamentos; instalações apropriadas e capacitação profissional do pessoal do laboratório. Assim no que concerne à formalização da credibilidade laboratorial; o instrumento a ser adotado não deve ser a cerificação ISO 9001 do Sistema da Qualidade do laboratório e sim sua acreditação, uma vez que este, além do Sistema da Qualidade, também atesta a competência do laboratório.

Fonte: http://www.visbrasil.org.br/resenhas/acreditacaocertificacaoqualidade.pdf

Para a organização: 

  • Reforça a confiança do público nos serviços prestados. 
  • Fomenta os esquemas confiáveis de auto-regulação do próprio mercado, incrementando-se a competência e a inovação. 

Para os usuários: 

  • Possibilita a tomada de decisões acertadas, diminuindo o risco da tomada de decisões com base em avaliações incorretas, ou o que é pior, ter seu produto rejeitado pelo comprador que não aceita avaliações não acreditadas (credenciadas). 
  • Garante a aceitação internacional dos produtos sem a necessidade de repetições das avaliações realizadas. 

Para os consumidores finais: 

  • Inspira confiança no provedor ao garantir que o produto ou serviço tem sido avaliado por um organismo independente e competente;
  • Aumenta a liberdade de escolha e fomenta um mercado livre, porém confiável.

Fonte: http://www.visbrasil.org.br/resenhas/acreditacaocertificacaoqualidade.pdf

Ensaios de Proficiência (ou Programas de Ensaios de Proficiência) é um conjunto de procedimentos técnicos para a determinação do desempenho de laboratórios de calibração ou de ensaios, através de comparações interlaboratoriais. A participação do laboratório em Ensaios de Proficiência é um dos mecanismos indispensáveis para avaliação da sua competência técnica. 

Em um contexto geral, o ensaio de proficiência propicia aos laboratórios participantes: avaliação do desempenho e monitoração contínua; evidência de obtenção de resultados confiáveis; identificação de problemas relacionados com a sistemática de ensaios; possibilidade de tomada de ações corretivas e/ou preventivas; avaliação da eficiência de controles internos; determinação das características de desempenho e validação de métodos e tecnologias; padronização das atividades frente ao mercado e reconhecimento de resultados de ensaios, em nível nacional e internacional.

A realização de Ensaios de Proficiência - EP no País é fundamental para o aumento da credibilidade dos resultados das medições e, consequentemente, contribui para facilitar o comércio internacional e prevenir barreiras técnicas. 

Fonte: http://www.inmetro.gov.br/credenciamento/ensaioProf.asp

Como princípios gerais para os ensaios de proficiência devem ser usados os métodos indicados; não são recomendados para o estudo ou escolha de novos métodos; as análises devem ser executadas por funcionários habituais, dentro das condições usuais de trabalho; e os resultados são divulgados mantendo o anonimato dos participantes

Os programas de ensaio de proficiência são desenvolvidos de forma tal que permitem avaliar a atuação do laboratório em termos da execução do processo de medição, identificando o quão próximo dos "valores verdadeiros" (de referência ou de consenso) os valores obtidos pelo laboratório se encontram, ou seja, avalia a capacidade do laboratório em desempenhar os ensaios de forma eficiente; serve para auto avaliação dos laboratórios e na avaliação dos laboratórios pelos clientes ou por organismos credenciadores ou regulamentadores.

Essa avaliação é conduzida, sob sigilo absoluto e se constitui uma ferramenta de gerenciamento do nível da garantia da qualidade do laboratório, trazendo inúmeros benefícios técnicos aos participantes, e servindo como importante instrumento de “benchmarketing” (padrão de referência).

Fontes:

PONÇANO, V. M. L. Programa interlaboratorial. Bate-papo programado – serviços tecnológicos e TIB. São Paulo: Secretaria de Desenvolvimento – IPT. Disponível em: www.ipt.br/atividades/servicos/chat/?ARQ=95

BASTOS, H. H. C. Critérios para habilitação de provedores de EP, segundo os princípios da ABNT ISO/IEC Guia 43. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/reblas/Apr_sem.ppt

ROUYER, J.-M. Guide to BIPEA. Versão A - April 2004. 10p. In: BIPEA. The bureau inter professionnel d´etudes analytiques. Disponível em: . Clicar em: “General conditions of Bipea's functioning”, para acessar o arquivo em pdf.

A participação de laboratórios em atividades de ensaios de proficiência é um dos mecanismos de controle de qualidade de resultados previstas na ISO/IEC 17025norma que contém todos os requisitos que laboratórios de ensaio e calibração devem atender se desejam demonstrar que têm implementado um sistema da qualidade, são tecnicamente competentes e que são capazes de produzir resultados tecnicamente válidos.

Os benefícios da participação de laboratórios em ensaios de proficiência incluem:

  • O laboratório participante dispõe de avaliação externa regular e independente da qualidade de seus resultados;
  • O laboratório pode comparar o seu desempenho com o de outros laboratórios semelhantes;
  • Os dados obtidos servem de subsídio para a implementação de ações preventivas para a melhoria dos procedimentos de laboratório;
  • Alguns estudos podem fornecer informação sobre as características de desempenho de métodos analíticos; e o laboratório pode obter do organizador do programa uma fonte de assessoria técnica e orientação sobre problemas analíticos.

Fontes:

CHUI, Q. S. H.; BISPO, J. M. A.; IAMASHITA, C. O. O papel dos programas interlaboratoriais para a qualidade dos resultados analíticos. Química Nova, v. 27, n. 6, p. 993-1003, 2004

COSTA, J. G.; ROCHA, G. M. da. Organização e avaliação de comparações interlaboratoriais. Xerém, Duque de Caxias, RJ: Inmetro, 2005. 5 p. Trabalho apresentado no Encontro para a Qualidade de Laboratórios = ENQUALAB-2005, São Paulo, SP, 2005. Disponível em: <http://www.grupocalibracao.com/downloadsfiles/oaci64.pdf>

Reconhecimento: É a evidência de que um laboratório é competente para as tarefas que se propõe a desempenhar. A REMESP realiza o reconhecimento do (s) laboratório (s) através de uma avaliação completa dos requisitos definidos na ABNT ISO/IEC 17025, sendo concedido por especialidade da metrologia para um determinado escopo, incluindo faixas e capacidade de medição e calibração (CMC).

Para ensaios o reconhecimento é concedido, segundo determinada norma técnica ou procedimento desenvolvido pelo próprio laboratório, desde que validado.

Qualificação Metrológica: A qualificação metrológica é realizada em laboratórios que já possuem o Reconhecimento REMESP e/ou acreditação junto a CGCRE.

O processo de Qualificação para laboratórios de calibração e ensaios é semelhante ao processo de reconhecimento, sendo avaliados os requisitos 4.4, 4.6, 4.13, 4.14, 4.15 e item 5 da norma ISO/IEC 17025 para as atividades que ainda não fazem parte do escopo acreditado e/ou reconhecido.

Fonte: REMESP, 2016